domingo, outubro 26, 2008

Domingo no campo

Pedi ao Nuno Júdice que me emprestasse o Domingo dele...

Aos domingos, quando os sinos tocam
de manhã, o que neles se toca é a manhã,
e todas as manhãs que nessa manhã
se juntam, com os dias da infância que
nunca mais acabavam, as casas da aldeia
de portas abertas para quem passava,
as ruas de terra batida onde as carroças
traziam as coisas do campo, os cães que
corriam atrás delas, uma crença no sol
que parecia ter expulso todas as nuvens
do céu, e a eternidade desses domingos
que ficaram na memória, com o ressoar
dos sinos pelos campos para que todos
soubessem que era domingo, e não havia
domingo sem os sinos tocarem a lembrar,
a cada badalada, que os domingos não
são eternos, e que é preciso viver cada
domingo como se fosse o primeiro, para
que o toque dos sinos não dobre por
quem não sabe que é domingo.



Pedi ao meu jardim que me emprestasse uma rosa de Outono...

Casei-os.

(Acabei com a solidão de ambos.)

.

2 comentários:

EMD disse...

Feitos um para o outro

3za disse...

:)