segunda-feira, dezembro 31, 2007

New Years Eve


Do Natal ao Novo Ano vai apenas um instante verde e vermelho embrulhado em luzes, papéis dourados, cartões e votos de melhores coisas
Balão que se esvazia rápido. Não me lembro das cores desse instante, do ano que passou, nem me lembrarei para o ano das cores deste. Talvez porque as cores sejam sempre iguais.

Guardarei apenas, como sempre, o sabor dos (re)encontros.
(Na memória sobrevivem abraços, não pinturas.)
O melhor Ano para cada um de vós!

domingo, dezembro 30, 2007


Via Terrear descobri que
Nuno Júdice regressou, em Dezembro,

ao seu
A a Z

Tinha saudade.

Há já tanto...


Colhe os frutos da manhã. Não sabe
ainda o que o dia irá trazer; e dispõe
o tempo por entre romãs e figos,
ouvindo o bater dos segundos no relógio
da alma.

Nuno Júdice

sábado, dezembro 29, 2007


...trago comigo
a fotocópia
de um


Sabor de Palavra

De linha em linha...


Era um_a vez.
Começou por ser um_a ponto(a).
Depois um fio a partir dele(a). Linhas. Pontes.
Por vezes cruzando-se, partindo, regressando ao rumo.
Sempre ligando, juntando, tecendo.
Cores. Manchas. Quase figuras. Quase a descobrir respostas.

Foi andando. Umas vezes mais rumo outras menos. Se ao menos percebesse o perfeito sentido, se fosse possível encontrar o resultado para a equação...

Um dia, quase quase lá ao pé de uma qualquer luz, sentiu-se partir. Ir. Quebrar.
Nesse momento compreendeu, finalmente, que importante realmente havia sido a pintura testemunho do caminho e não o destino imaginado dele que a foi guiando e não guiando.

Não era tarde demais. Não era.

Partilhou estas linhas sobre as suas linhas e deixou-se (part)ir em paz...

sexta-feira, dezembro 28, 2007

quinta-feira, dezembro 27, 2007

Education at Risk: Fallout from a Flawed Report

JL (HM do Nexus) chamou-me a atenção para este texto que discorre criticamente sobre a recente história da Educação na América (a propósito dos problemas detectados há anos e de um célebre relatório que se destinava a permitir descobrir os caminhos "da salvação"...).

Subscrevo o que me disse por e-mail: substituam-se uns quantos nomes por outros e até parece uma outra história próxima...
O facto não me alegra...
Diz apenas algo sobre a nossa incapacidade de aprender realmente com os erros dos outros. Do nosso vício de importar umas ideias dispersas, aqui e ali, colá-las de qualquer maneira sem ter em conta a nossa realidade e ficar à espera de milagres...
(Se os milagres não acontecem... lá vem mais um bricolage, sempre sustentado na "culpa" de alguém. Reflectir em conjunto, entender a essência dos problemas... para quê?)

Nearly a quarter century ago, "A Nation at Risk" hit our schools like a brick dropped from a penthouse window. One problem: The landmark document that still shapes our national debate on education was misquoted, misinterpreted, and often dead wrong.

by Tamim Ansary
published 3/9/2007

Ler o resto aqui:
Education at Risk: Fallout from a Flawed Report (EDUTOPIA)

Só um excerto... de uma época mais recente (mas para quem se interessar por estas questões, vale a pena enquadrar com o caminho anterior):

After the 2000 election, George W. Bush dubbed himself America's "educator in chief," and until terrorism hijacked the national agenda, he was staking his presidency on a school-reform package known as the No Child Left Behind Act, a bill that -- as every teacher knows -- dominates the course of public education in America today.

School reform is not a settled issue, however, and the ongoing debate about how best to go about it reflects a larger struggle between two competing ideologies. The many initiatives discussed for changing public education -- accountability, standards, standardized testing, homework, arts in the curriculum, and so on -- comprise one side of that debate.

Consider the analogy, for example, between liberal and conservative approaches to crime and to education. On crime, one side says, "Start with the criminal. Ask what turns people into criminals, what motivates criminals, how we intervene in that process, and how we can alter the conditions that promote transgression." The other approach says, "Never mind who the criminals are: State the rules, catch the violators, and punish them hard so they won't do it again."

When it comes to schools, one side says, "Start with the student. Ask what motivates kids, what blocks them, what gets them to muster their own best learning resources." The other approach says, "Never mind each particular student's wants and needs: Post the curricula, test all students, and punish those who fail."

Testing provides another revealing example. Teachers have always used myriad formal and informal tools to see whether kids are learning what is being taught. No one is against assessment. But testing in the context of today's school reform is not about finding out what kids know; it's about who gets the test results.

Only on-site teachers can really make a broad ongoing assessment that gets at a range of achievements and takes the individual into account. By contrast, uniform standardized testing whose outcomes can be expressed as simple numbers allows someone far away to compare whole schools without ever seeing or speaking to an actual student. It facilitates the bureaucratization of education and enables politicians, not educators, to control schools more effectively.

James Harvey, a member of the commission that produced "A Nation at Risk," expresses concern about the uses made of the report and the direction it has given to school reform. Today, he says, "educational decisions have been moved as far as possible from the classroom. Federal officials are now in a position to make decisions that would have been unimaginable even two years ago. They've established the criteria for disciplining schools, removing principals and teachers, and even defining appropriate curriculum for American classrooms."

Reform, Not Improve
Bush Sr. launched the idea of a national education policy shaped at the federal level by politicians. Clinton sealed it, and our current president built on this foundation by introducing a punitive model for enforcing national goals. Earlier education activists had thought to achieve outcomes through targeted spending on the theory that where funding flows, school improvement flourishes. The new strategy hopes to achieve outcomes through targeted budget cutting -- on the theory that withholding money from failed programs forces them to shape up.

Which approach will actually improve education? Here, I think, language can lead us astray. In everyday life, we use reform and improve as synonyms (think: "reformed sinner"), so when we hear "school reform," we think "school improvement." Actually, reform means nothing more than "alter the form of." Whether a particular alteration is an improvement depends on what is altered and who's doing the judging. Different people will have different opinions. Every proposed change, therefore, calls for discussion.

The necessary discussion cannot be held unless the real alternatives are on the table. Today, essentially three currents of education reform compete with each other.

One sees inspiration and motivation as the keys to better education. Reform in this direction starts by asking, "What will draw the best minds of our generation into teaching? What will spark great teachers to go beyond the minimum? What will motivate kids to learn and keep coming back to school?"
In this direction lie proposals for building schools around learners, gearing instruction to individual goals and learning styles, pointing education toward developing an ever-broader range of human capacities, and phasing in assessment tools that get at ever-subtler nuances of achievement. Overall, this approach promotes creative diversity as a social good.

A second current, the dominant one, sees discipline and structure as the keys to school improvement. Reform in this direction starts by asking, "What does the country need, what must all kids know to serve those needs, and how can we enforce the necessary learning?" In this direction, the curriculum comes first, schools are built around the curriculum, and students are required to fit themselves into a given structure, controlled from above. As a social good, it promotes national unity and strength. This is the road we're on now with NCLB.

A third possible direction goes back to diversity and individualism -- through privatization, including such mechanisms as tuition tax credits, vouchers (enabling students to opt out of the public school system), and home schooling. Proponents include well-funded private groups such as the Cato Institute that frankly promote a free-enterprise model for schooling: Anyone who wants education should pay for it and should have the right to buy whatever educational product he or she desires.

What's Next?
Don't be shocked if NCLB ends up channeling American education into that third current, even though it seems like part of the mainstream get-tough approach. Educational researcher Gerald Bracey, author of Reading Educational Research: How to Avoid Getting Statistically Snookered, writes in Stanford magazine that "NCLB aims to shrink the public sector, transfer large sums of public money to the private sector, weaken or destroy two Democratic power bases -- the teachers' unions -- and provide vouchers to let students attend private schools at public expense."

Why? Because NCLB is set up to label most American public schools as failures in the next six or seven years. Once a school flunks, this legislation sets parents free to send their children to a school deemed successful. But herds of students moving from failed schools to (fewer) successful ones are likely to sink the latter. And then what?

(sublinhados meus)

quarta-feira, dezembro 26, 2007

'Nina, até prova em contrário...

Nesta entrada contei como me apareceu "à porta" em vésperas de Natal...

Ontem, dia 25, na casinha do lado que a recolheu foi estrela.
Por ser meiga, por estar feliz e adaptada (ao fim de tão pouco tempo), por ser assim tão especial. A rua seria destino fatal para uma gatinha que se deixa cheirar sem medo pelos cães... Que se coloca ao colo e lá fica serena e abandonada como se sempre lá tivesse estado.
Claro que se tiver dono... será entregue... (os avisos já estão espalhados). Mas... também já se pensa: que bom seria não aparecer ninguém...

É a (me)Nina... até prova em contrário.
(E já conquistou todos os corações da família!)

Gatos e mais gatos... pois...

Uma das prendas de Natal...

Doris Lessing
Prémio Nobel da Literatura 2007

Histórias de gatos domésticos. Histórias de gatos selvagens. Desde que nascem, começam a andar, a utilizar o caixote da areia, a esconder-se, a brincar, enrolados ou lânguidos, a preguiçar ao sol. Mimados. Assustados. Uns respondem pelo nome, Rufus, o Bispo Butckin, outros referem-se pelas cores, a gata cinzenta, o gato preto. As inquietações das idas ao veterinário. A partilha das nossas vidas. Afinal, eles ficam às vezes horas a "vigiar-nos": "Fazer a cama, varrer o chão, fazer ou desfazer uma mala, coser, tricotar - qualquer coisa, observam e vigiam. Mas o que vêem?"

Críticas de imprensa
«Quem já conviveu de perto com um gato, vai adorar este livro. Quem ainda não tenha passado por essa experiência vai, sem dúvida, achá-lo fascinante. "Gatos e Mais Gatos", foi escrito por Doris Lessing em 1967; revisto e aumentado e ilustrado em 1989 (a edição ilustrada em tempos também foi editada na Cotovia). Mas podia ter sido escrito ontem, os gatos sejam eles quais forem continuam a ter os comportamentos aqui relatados.»

Isabel Coutinho, Público, "Leituras"

Excerto da obra
"Lá vai gata preta, atarefada, atarefada, verificar focinhos, caudas, pêlos. [...] Gatinhos. Uma criaturinha viva na sua membrana transparente, rodeado pela imundície do seu nascimento. Dez minutos mais tarde, húmido mas limpo, já mamando. Dez dias depois, uma migalha com olhos macios e nebulosos, a boca abrindo-se num silvo de corajoso desafio à enorme ameaça que sente debruçada sobre ele. Nesta altura, em vida selvagem, confirmaria a sua selvajaria, tornando-se um gato selvagem. Mas não, uma mão humana toca-o, um cheiro humano envolve-o, uma voz humana sossega-o. Depressa sai do ninho, confiante de que as gigantescas criaturas à sua volta não lhe farão mal. Cambaleia, depois anda, depois corre a casa toda. [...] Gatinho encantador, gatinho bonito, lindo fofinho pequenino delicioso bichinho - e vai-se embora."

Claro que quem oferece... bem nos conhece...

terça-feira, dezembro 25, 2007

The Christmas Song

Um só Natal... tempos diferentes

segunda-feira, dezembro 24, 2007

Jingle Bells - Diana Krall? Ella Fitzgerald?

Não é possível a incorporação do vídeo, mas...

AQUI vê-se, ouve-se... e sente-se! Ai os pés a fugir... esperem lá pés meus!!!

Mas... a Ella... oh a Ella! ...


domingo, dezembro 23, 2007

"Pedaços de Amor de Mel da Avó"

Lembram-se da receita das Broas de Mel da Avó Mila há um ano atrás?
Com tanto trabalho em mãos, julgava que não ia conseguir fazê-las... mas afinal o que aconteceu é que não consegui deixar de as fazer.
Há coisas mais fortes do que nós.

Só que...
Como não tinha frutos secos nem muito tempo, reinventei uma forma de fazer a receita e recordar este sabor e aroma tão especiais, sem ter de passar o resto da tarde a tender broinhas (desculpas-me Avó?).

Portanto, fiz tudo tal e qual como digo e mostro na outra entrada da Teia, depois... coloquei a massa no papel vegetal (dois tabuleiros - fiz a receita com 500g de farinha), espalhei um pouco para fazer assim uma espécie de forma quadrangular no centro do vegetal (com uma alturinha semelhante à das broas) e forno (mesma temperatura, mesmo tempo)!

A seguir... cortei em pedacinhos e polvilhei com açúcar em pó.
Em vez de broas de mel com esta forma:

ficaram assim uns pedacinhos de mel em forma de paralelepípedo:

O saborzinho é o mesmo de sempre!

Inesperado... Eles põem-se a jeito, que culpa tenho eu?

Não tenho muito o hábito de ir trabalhar para a mesa da sala... mas hoje a casa anda em limpezas e lá fui eu de armas e bagagens para outras paragens. Na varanda exterior alguns vasos com roseiras meio adormecidas de inverno (altura em que ficam muito pouco apresentáveis).
Algo pouco comum: um passarinho saltava de ramo em ramo parecendo dedicar-se à recolha de insectos que devorava rapidamente. Não era um pardal e fui a correr buscar a máquina. Consegui um pequenino filme das andanças rápidas de ramo em ramo e algumas fotos (que não têm, claro, muita qualidade, pois foram feitas através do vidro e o passarinho não parava quieto).

Ainda assim, penso que dá para identificar (vim aqui consultar os meus livros - guias de observação de aves no campo e depois espreitei umas fotos na Internet).
Parece-me uma felosa-comum.
Alguém discorda?

Também me parecia que não... :)

E lá interrompi o trabalho para deixar aqui registada a memória do momento.
(É mais prático e rápido do que organizar álbuns de fotos...)


Trabalho, Scratch, Natal, alunos e companhia...

Learn more about this project
Projecto da Teresa L. 6º ano

Não é segredo para ninguém que preciso muito de trabalhar este Natal.
Que, estando aqui na estação de tecelagem, também aproveito para ir ajudando alguns alunos a resolver problemas e dando resposta aos vários pedidos que me chegam à Teia para corrigir textos e publicá-los no blogue (falo dos mais crescidinhos,

Com a minha homónima aluna, o trabalho tem sobretudo girado em torno do Scratch. Precisámos de resolver um problema de um projecto interessantíssimo seu (um vídeo poema) mas que estava "muito pesado" (mesmo antes de comer rabanadas e bacalhau...). Depois do problema resolvido... deixei-lhe a dica... e o Natal? Hoje já tinha aqui uma informação de que o Natal havia chegado ao Scratch... ou o Scratch ao Natal.

São uma companhia pelos caminhos, estes miúdos.

Aqui, o video-poema (carregam na tecla space para ver o poema e ouvir a música)

e... lá em cima, o seu cartão natalício em Scratch... A Teresa (crítica como sempre) diz do seu próprio projecto que está pouco elaborado, mas engraçado... mas o deixava como prenda! Eu cá gostei imenso da prenda e da surpresa e partilho-a convosco.

Porque o Natal são estes fios... (O ano inteiro)

Rudolph The Red Nose Raindeer (Gene Autry)

Cansados? Não?

Ainda bem...

sábado, dezembro 22, 2007

Jerome Bruner Rei Kong

Este final de tarde: o Processo da Educação de Bruner na mão e na mente (segunda rodada de anotações, há aqui um fascínio qualquer) e este filme bebido ao mesmo tempo.
Uma experiência que recomendo.

Quando voltar a pegar no livro... saberei exactamente em que parágrafos me comovi com cenas do Rei Kong... Mas saberei também por que razão é para mim possível juntar dois prazeres aparentemente tão díspares. Não tenho preconceitos na sede. E a minha imaginação é apenas uma: nela cabe tudo.
A aprendizagem e a memória constróem-se na emoção, na essência das ideias poderosas, nos princípios básicos e não nas derivações específicas que a todo o custo tentamos enfiar na cabeça das crianças, através de listas e listas de coisas desligadas. E... acredito nessa coisa algo indefinível que é a intuição. (E em fadas, já o disse, e em gorilas gigantes, e em ilhas misteriosas...)

The Process of Education, Revised Edition
Jerome Bruner

(existiu em tempos uma versão em português, das Edições 70, mas está esgotada... tenho esta e li também em português - emprestaram-me a obra.)
In this classic argument for curriculum reform in early education, Jerome Bruner shows that the basic concepts of science and the humanities can be grasped intuitively at a very early age. He argues persuasively that curricula should he designed to foster such early intuitions and then build on them in increasingly formal and abstract ways as education progresses.

Bruner's foundational case for the spiral curriculum has influenced a generation of educators and will continue to be a source of insight into the goals and methods of the educational process.

Papel variado (para gráficos e mais...)

Descobri por acaso em busca de outra coisa, enquanto trabalho aqui para o mestrado e tento resolver alguns aspectos gráficos e matemáticos do Scratch...
Provavelmente muitos de vós já conheciam, mas eu não. Deve haver mais como estes. Ficam aqui os primeiros exemplos que encontrei.


Simple Grid Graph Paper PDF Generator

... a Merry (Big) Christmas

Contemporary R&B... like it... (a lot)

(...for you all)

Contos de Natal com bigodes...

Desde ontem a rondar pelo jardim...
Hoje percebi que deve estar ou perdida, ou abandonada.

Jovem, cheia de fome, meiga, a deambular pela estrada por entre os carros, procurando o carinho das pessoas.
Recolher. Alimentar. Mimar. Dar-lhe colinho (retribui com muitos ronrons e ternuras). Falar com os pais do Cara-metade. Doces corações. Já contam duas, também abandonadas. Assim serão três em cada casa - todos recolhidos da rua.
Fazer um papelinho com fotos para divulgar no Vet.: alguém me terá perdido?
(Na esperança de que não seja abandono...)

Já está ali ao lado no quentinho de uma casa. Se ninguém a reclamar... não lhe faltará tecto.

Mas, quem sabe, alguém a reconhece aqui...
Alguém me perdeu?

E... há menos de um mês... um gatinho bebé foi deixado no quintal da Zélia Afonso (esposa do Zeca Afonso, cuja casa fica no extremo da rua onde moro). Lá iniciámos mais uma campanha procurando dono para a adopção. Sabem quem ficou com ele?

Hummmm... pois... foi viver lá para os lados de "talvez uma península" com a Teresa Lopes. Mais uma história com um final feliz. Passaram a ser quatro bolinhas de pêlo... (Convém acrescentar que o nome Luna teve de ser repensado. Todos pensámos que se tratava de uma gatinha até as "evidências virem ao de cima"!)




Jingle bell rock

Apostada em não dar descanso aos pés neste Natal...

Outra versão... Billy Idol? É mesmo verdade? É mesmo ele? É...
(mais outro que só visto AQUI)

sexta-feira, dezembro 21, 2007

Frosty the snowman... clássicos

Para fechar o dia... com chave de alegria.

(... sim sim, pois, está bem...
Vão ter de me aguentar o Natal todo!)


é ali ao lado ------------> no 'Umbigo do Paulo G

(Embora o tempo seja de "Festas"... mantenham pelo menos um olho aberto!)

Conferência no MIT Campus - EUA

Recebi hoje cedo esta mensagem:

Invitation to Scratch@MIT

Dear friends of Scratch,
Because of your interest in Scratch, we thought you would like to know about the
Scratch@MIT conference that we are hosting next summer.
The conference will provide an opportunity for educators,researchers, developers, and other members of the worldwide Scratch community to gather together to share experiences and discuss future possibilities for Scratch.
The conference will take place on the MIT campus on July 24-26, 2008.
Everyone is invited to submit proposals for presentations, panel discussions, and workshops (deadline: February 15, 2008).

For more information, see
Best wishes for a Happy New Year -- and we hope to see you at MIT next July!
-- MIT Scratch Team --

Deixa cá ver...

Parece irresistível...

(Mas não gosto nada de viajar, penso eu com os meus botões...
Hummmm, perder uma oportunidade destas? Respondem os botões.)

O Cara-metade diz que pode rentabilizar também a viagem para algo que desejava fazer há já algum tempo. Aproveitamos o Natal para nos inscrevermos e para tratar da estadia...

(Nem acredito que estou a dizer sim a esta aventura...)

Let it snow...

Continuo a desejar-vos Boas Festas com música e muito swing...
(pena o som não ser grande coisa...)

Outra versão (som catita):

quinta-feira, dezembro 20, 2007

Uma garça com graça

Tenho quarenta janelas
nas paredes do meu quarto,
Sem vidros nem bambinelas
posso ver através delas
o mundo em que me reparto.

António Gedeão

Vi asas grandes e brancas passar aqui à frente da janela do escritório onde estou a trabalhar... levantei-me. Percebi a razão. Duas ao longe, uma bem perto. As fadas, pensam vocês. E pensam bem. É por estas fadas e por outras que a minha atenção se dispersa, às vezes bem mais do que queria... mas não combato estas desconcentrações de criança deslumbrada com o mundo.

Rapidamente a máquina de filmar, um vento gelado e forte na varanda, o som excessivo dele registado à mistura com guizos e balidos. Fossem só estes dois últimos e não teria feito o que fiz para esconder os rugidos do Inverno. Rapidamente reactivar a memória sobre a edição de vídeo com o Jumpcut e juntar-lhe o som do início de uma canção (en tu puerta) de um CD da Né Ladeiras.

E foi assim que aconteceu isto:

ADENDA (música):

Mais informação AQUI


8 - «Em Tu Puerta» – Tema popular, arranjos de Ricardo Jesus

Num castelo longe...

... as fadas devem cantar assim.

Gosto de castelos encantados. Gosto de escutar fadas.
De acreditar nelas.

(Ainda hoje as consigo ver, mas não digo a ninguém.)

Natal a qualquer hora...

Partilho uma canção que fiz há cerca de três anos para os meus sobrinhos... (Hei-de colocá-la no Sabor e Saber... logo que o tempo o permita.)

Sim, artesanal, sem grandes elaborações. Mais um poema cantado do que uma verdadeira canção. Mas pronto. Perdi a vergonha ao fim de três anos e sempre é uma forma diferente de vos ir desejando Boas Festas...


Em cada abraço apertado
há magia e sabores
que nos lembram que o Natal
pode ser de muitas cores...

Em cada livro que lemos
há um segredo guardado
como se o Natal chegasse
sem ter sido convidado...

Pode ser que um dia fique
e nunca mais vá embora...
Feliz Natal, Boas Festas
hoje, sempre,
a qualquer hora!

Em cada flor que se oferece
há surpresas a sorrir
que nos lembram que o Natal
não é só neve a cair...

Em cada amigo que passa
há uma festa encantada
como se o Natal chegasse
devagar sem dizer nada...

Pode ser que um dia fique

e nunca mais vá embora...
Feliz Natal, Boas Festas
hoje, sempre,
a qualquer hora!


quarta-feira, dezembro 19, 2007

Ain't life b(l)u(e)tiful?

Chove, está um vento danado, hoje terei de ir até Lisboa (univ), combóio, ponte, pés molhados, nariz a fungar...

Mas esta mulher põe cá uma joy in the blues, que acho que vou por aí dancing in the rain sem complicações, sem preocupações. Depois de ouvir uma coisa destas não há ministro nem temporal que me apoquente, que a vida ou bem que se vive, ou bem que se morre (...e desde que descobri que consigo converter estas preciosidades para o meu ipodzinho de companhia...) .
E eu sei nadar na chuva e eu sei voar no vento e eu não sou solúvel em água fresca, portanto...
Ain't life b(l)u(e)tiful?

Ouvissem eles umas coisinhas destas e percebessem eles a importância dos sorrisos... as medidas legislativas seriam outras (bem mais sérias... que os sorrisos não são coisa que se leve na brincadeira!).

O difícil é conseguir, a todo o custo, não:
abanar o corpo
bater o pé
chocalhar a cabeça
cantar a acompanhar a frenética senhora
(também me acontece com a Diana...)

enquanto vou no combóio tentando ler umas coisas...

Nada fácil, nada fácil...

Sta Claus is coming to town... (Ella Fitzgerald)

A incorporação do vídeo não é permitida...

Mas podem ver e ouvir AQUI

(Para mim a melhor versão desta canção... dá-me vontade de dançar pela casa fora... partilhem com os vossos filhotes e dancem, dancem, dancem... de preferência aos pulos em cima da cama!)

Preparem-se que vai ser isto toda a saison...

(Sim, vou dar-vos música!)

Certificação de Manuais Escolares

Segunda-feira, Dezembro 17, 2007

Regulamentada avaliação, certificação e adopção de manuais escolares
Terrear (José Matias Alves)

A Certificação dos Manuais Escolares
A Educação do meu Umbigo (Paulo Guinote)

Terça-feira, Dezembro 18, 2007

Certificação de Manuais
A Educação do meu Umbigo divulga um texto de
Fernando Ornelas Marques

Não sabia que o texto ia ser enviado ao 'Umbigo. Alertei apenas o Cara-metade para o facto de finalmente a Lei estar "na rua" e aconselhei-o a ler a blogosfera (ele está em sabática no ETH de Zurique e não lhe sobra muito tempo para acompanhar a vida neste recantito à beira-mar...). Penso que terá achado oportuno enviar, depois de saber o que se passa.

Sei bem o que sentimos a este respeito, pois acompanhei de perto o processo a que o texto se refere e o que lhe deu origem e vou tentando passar-lhe a informação mais importante cá da terra... (faço assim uma espécie de condensado a meu jeito e sugiro o visionamento dos gato fedorento à segunda de manhã para complementar...)
Foi bom descobrir as palavras dele ali ao lado, no 'Umbigo, ao chegar a casa tarde ontem, depois de mais uma reunião de avaliação... (conheço o seu empenho desde há anos pela causa da educação e o contributo que procurou sempre dar, não se enclausurando na sua área de especialidade).

terça-feira, dezembro 18, 2007

Mais Scratch: acabei de receber o aviso/pedido em comentário...

... e já publiquei.

Uma das coisas mais importantes no trabalho do professor com os alunos, para os manter motivados e ligados às actividades, seja na avaliação, seja noutros contextos (sobretudo quando assumimos a criação destas pequenas comunidades que se estendem para além da aula, em universos virtuais) é um retorno tão rápido quanto possível.



O complexo do "special one"

No Público, hoje.
Por Santana Castilho.
Enviaram-me... não resisto (pedindo desculpa pela divulgação à margem das questões autorais, editorais e outras que tais...).
Apeteceu-me partilhar.
(Encontrei pontos comuns com o meu desabafo de ontem...)

Continuação das aventuras Scratch...


Já no contexto das actividades do mestrado (e portanto não vou entrar em muitos detalhes para já... ando aqui em brainstorming a tentar registar tudo, ao mesmo tempo que persisto na revisão da literatura e ensaio esboços de redacção relacionados com a metodologia) partilho os últimos eventos com a turminha GTurma, que será a minha parceira nesta aventura.

Um blogue, pois então!

GT Scratch

Alguns projectos (não esperava ter já alguns antes do Natal, pois só "abri o jogo" na turma e lhes falei do Scratch nos primeiros dias de Dezembro).

Num destes projectos (o primeiro, do "bocas") aprendi (pela "boca" do autor) como inserir no trabalho som gravado directamente para o Scratch. Tenho esse registo em vídeo onde se percebe a minha surpresa ao ver o projecto a funcionar, pois desconhecia essa potencialidade (ainda não tive tempo de explorar a ferramenta exaustivamente - vá-se lá saber porquê...). Obviamente, os vídeos (embora as carinhas não apareçam) serão para partilhar em ambiente mais restrito, no âmbito do estudo.

Como se pode ver nesse projecto, o aluno usou a aprendizagem trabalhada na aula a que fiz referência aqui (muito antes de lhes dizer por que estava a antecipar este conteúdo, que nem integra o currículo do 5º ano) e recorreu também a conteúdos sobre sólidos geométricos trabalhados no princípio do primeiro período - designação e desenho em perspectiva.

Scratch Project

Entrada repetida no Muito mais

Doenças Raras

Um blogue de alunos do 12º ano do Porto a merecer divulgação:

Parabéns pela iniciativa!

segunda-feira, dezembro 17, 2007

O futuro da Educação Matemática na Europa III

Acompanhei o que consegui... as reuniões de avaliação (em salas bem congeladas... suspiro... a constipação volta a regredir antes de se curar) comeram algumas horas à conferência e não foi possível recuperar o sentido de tudo.

Bom acompanhar o que se vai fazendo, dizendo, investigando, pensando. Aproveitar para reflectir sobre a nossa prática, sobre a nossa distância ou aproximação a alguns paradigmas desejáveis para a educação matemática.
Quantos professores terão conseguido acompanhar o evento?
E terão sido os que mais precisavam de ouvir algumas das questões levantadas neste segundo dia do encontro?

Percebi a certa altura que parece não haver investigação suficiente sobre desenvolvimento curricular, sobre a relação entre competências do professor e resultados dos alunos, muitos mais campos a explorar no futuro para que as respostas encontradas possam ser de alguma utilidade na mudança.

Retenho uma ideia curiosa do primeiro orador...
Opening lecture by Alan Schoenfeld (UC Berkeley, U.S.A.): An International Perspective on the Future of Mathematics Education

Vou tentar ser fiel à sua mensagem. Dizia ele a certa altura que na América, como em muitos países, presidentes, ministros, políticos em geral ao chegar ao Governo declaram-se imediatamente os "reformadores da educação" e, governação após governação, são introduzidas variadíssimas reformas mal avaliadas não havendo a estabilidade necessária para seguir um plano gradual, sustentado na investigação, que se prolongue no tempo sem perturbações sistemáticas de salvadores (estou a ser muito livre nas palavras, mas penso que captam a ideia).
Insistiu que sem essa estabilidade, sem essa avaliação e investigação que permita perceber o que fazer e como fazer e manter durante tempo suficiente um projecto nacional, não é possível chegar a algum lado ou melhorar resultados.

E regresso no tempo à reorganização curricular - currículo por competências (entrou em vigor em 2001/2002) que prometia uma avaliação e reformulação em 2003/2004... (falei aqui dessa questão). Prometia também a revisão dos programas para se ajustarem à nova formulação (?). Enquanto isso não acontece (acreditem, nunca acontecerá) vão sendo feitos remendos e tomadas medidas avulsas, das quais o Plano de Matemática, a reformulação do currículo que passou ao lado da maioria dos professores (e confesso, ao contrário do que esperava, é um documento enorme e volumoso que não sei se virá a ser de grande ajuda) são apenas um exemplo, como o são os planos de recuperação e acompanhamento disto e daquilo, as mudanças de estatuto disto e de aqueloutro, as alterações drásticas na gestão do tempo que inibem os professores que sempre investiram no estudo e na melhoria das suas competências de continuar a fazê-lo (e providencia uma boa desculpa aos que nunca o fizeram para continuarem sem o fazer) em prol de actividades dispersas, reuniões sem fim, relatórios e burocracias que sufocam neste momento a escola, inibindo-a de levar a bom termo aquela que deveria ser a sua principal missão. E mais remendos com um estatuto da carreira docente que separou os professores em titulares e professores no absurdo mito de que os mais experientes/competentes iriam gerir os destinos das escolas e avaliar os menos experientes e competentes (se soubessem a vontade de rir que isto me dá, e nem preciso de olhar para muito longe, salvaguardadas as óbvias excepções), um projecto de avaliação de professores que vai instalar um caos anedótico nas escolas, as novas indicações para a formação dos professores (se ouvissem o que já ouvi em certas reuniões...)... a preocupação em reformar rapidamente as formas de gestão das escolas... preciso de continuar?

É esta a estabilidade para que a reflexão aconteça?
Onde está um projecto que realmente tenha continuidade no tempo, resultante de uma avaliação séria e coerente que não se reja apenas por estatísticas de natureza duvidosa? Um projecto no qual os professores sejam realmente parceiros (no qual se envolvam, com tempo para tal, exigindo-se-lhes esse contributo com seriedade, mas com condições de execução) e não apenas funcionários cumpridores/aplicadores de ideias políticas não sustentadas pelos mais simples e elementares princípios educativos?
Onde está tudo o que faz falta?

O discurso repete-se à minha volta em cada ciclo: deixa estar, quando estes cairem há-de vir outra novidade qualquer... nem sei para que te incomodas. Vai levando... sem stress...isto depois muda...

Mas eu não consigo não me incomodar. Mesmo que um dia isto mude. Precisamente porque muda e muda e muda e nada muda.
E continuo a achar estranho que haja, mesmo entre os professores, quem não se incomode e durma tranquilo como se os filhos da nação não fossem também seus.

A ministra da educação estará presente no encerramento desta conferência.
(Pergunto-me: para quê?)

O futuro da Educação Matemática na Europa II


O webcast está a funcionar...

(O acesso é simples e directo.)

Programa da manhã (neste momento ainda fala Alan Schoenfeld)

09:30 - 10:15 Opening lecture by Alan Schoenfeld (UC Berkeley, U.S.A.): An International Perspective on the Future of Mathematics Education

10:15 - 10:30 Coffee break

Session 1: Primary Education (Chair: José Francisco Rodrigues, Lisbon, Portugal)
10:30 - 11:00
Lieven Verschaffel (Katholieke Universiteit Leuven, Belgium): Taking the Modeling Perspective Seriously at the Elementary School Level
11:00 - 11:30
Erich Wittmann (Univ. Dortmund, Germany): Mathematics as a science of patterns - from the very beginning
11:30 - 12:00
Michel Delord (GRIP, France): Learning from the Past for the Future of Mathematics Education: the SLECC Experimentation (Savoir Lire Écrire Compter Calculer)

domingo, dezembro 16, 2007

O futuro da Educação Matemática na Europa

Um leitor da teia partilhou em comentário.

Para acompanhar, de hoje até 18...
(Anuncia-se emissão online em directo... não consegui ainda activar o controlo.)

mais informação AQUI

Se eu fosse um elefante...

... um elefante quadrado.

O que...?

Lições de Domingo...

Troca há pouco em comentário...

Olá Professora!
Afinal já não quero fazer aquela 'ideia macabra' de fazer um borboletário dentro do canil quando os meus cães morresem (não sei se se escreve assim morresem) porque agora vou fazer no meu gatil... é cubo com
2m de comprimento e 2m de largura e de altura.O que eu vou fazer:
Criar as lagartas e fazer com que elas se reproduzem já em borboletas e soltalas (tambem não sei se se escreve assim.
Bom (resto de) Domingo

Olá F!

Fico aliviada eh eh eh... não devemos adiar sonhos a contar com a morte de "terceiros"... podemos sempre morrer antes deles (esta é que foi bem macabra)...
Gostei muito, na tua mensagem, da preocupação com a língua, por isso aqui vai a correcção dos erros e algumas melhorias! E, repito, estás a amadurecer imenso a tua escrita... Parabéns!
Bom restinho de Domingo...

Olá Professora!
Afinal já não quero (concretizar) aquela 'ideia macabra' de fazer um borboletário dentro do canil quando os meus cães (morrerem) (não sei se se escreve assim morresem ... seria morressem... mas fica melhor como te coloquei) porque agora vou fazer no meu gatil... é cubo com
2m de comprimento e 2m de largura e de altura. (Vou criar no borboletário) as lagartas e fazer com que elas se (reproduzam)(sob a forma de) borboletas e (soltá-las)
(também não sei se se escreve assim.... pois... já te corrigi)
Bom (resto de) Domingo

A língua portuguesa aprende-se melhor na acção.
E a vontade e interesse em comunicar correctamente em torno de assuntos que nos interessam, é dos melhores motores para avançar...
Quem como eu tem acompanhado o blogue do F e as suas intervenções aqui na teia percebe facilmente os progressos.

Mas que sei eu? Sou uma simples professora de Matemática que ama a sua língua.
E sabe o quanto da sua identidade a ela se liga...
(E gosto de ver os outros a usá-la o mais correctamente possível... sim, que eu sou um bocadinho libertina no meu estilo...)




lembra-me alguém há muitos anos...

sábado, dezembro 15, 2007

O mojiti "foi-se"...

... e com ele aquele vídeo que legendei (tanto trabalho) sobre o Scratch (e os meus alunos estavam a usar...), que estava alojado no espaço daquela equipa.
Às vezes as tecnologias têm estas surpresas desagradáveis...

Farewell from Mojiti

Longe, perto...

Sinal de saudade. Acorda-nos.
Se alguém longe sussurra ao vento saudade de nós, existimos.
Saudade de um poema.
Azul eu preferia.
(Mas também pode ser azul. E se não puder ser, então aceito outro azul qualquer.)
Que se faz com a saudade?
Escrevem-se umas linhas.
Rouba-se um poema.

Ouve-se uma música.
Imagina-se um lago sem margens nem distâncias.

Um ponto?

(Um ponto azul. Castelo.)

Sonho por entre as linhas deste livro
um vento de pássaros que empurre
para longe as nuvens. Nos seus ecos,
um perfume de sílabas embriaga
o horizonte. E fecho os olhos, para
que o rio da memória volte a correr.

Nuno Júdice
A a Z

Asas coloridas, fios entrelaçados...

Ontem foi dia de campeonato de futebol. A minha Turbêturma levou-me para o campo: os rapazes jogaram a final (que venceram). Por entre as conversas amenas de último dia que temperam estes encontros de sorrisos e risos escancarados fora da sala de aula, o F. (11 anos) contou-me as últimas do seu borboletário, do seu mais recente blogue sobre borboletas (que está a ser pretexto para trabalhar as questões da língua portuguesa - vai passar a ter mais cuidado com os textos, que serão melhorados em Estudo Acompanhado), contou-me sobre as visitas ao Lagartagis com reportagem, sobre a capa/dossiê que criou (e que já lá tinha dentro os textos do blogue para serem corrigidos).

e até sobre uma empresa curiosíssima que também "inventou" relacionada com a sua actividade "borboletária" com panfletos de publicidade, cartões de sócio, nome especial e tudo o que é necessário a uma empresa, por enquanto ainda apenas para a família. Acrescentou também que havia descoberto um blogue sobre borboletas de Aveiro (Borboletas na Cidade - Borboletas em Aveiro) e que costumava ir lá comentar e já se escrevia com o seu autor.

Não resisti e lá fui eu também até Aveiro visitar as asas coloridas que me são tão caras e comentar, cumprimentando o autor pela excelente qualidade do que por lá vi. O que eu não esperava foi a história que se seguiu a esta viagem... Poderão encontrá-la aqui. Tocou-me.

Este tempo de teia, este tempo de tecer sem fronteiras a que muitos se dedicam, faz de nós livres borboletas. Voamos por aí, de flor em flor, e cada bater de asas pode fazer uma diferença que nem imaginamos... Esperamos sempre que seja para o melhor. De vez em quando vem-nos a certeza de que, em alguns momentos, isso aconteceu. Estou aqui a sentir-me um bocadinho madrinha de umas quantas borboletinhas "a mais" que voam por aí... de mais arrudas em jardins e varandas para mimar os papilios e... tem sabor bom.


E agora, brincando um bocadinho, se por causa de algum fio mal tecido em vez de coisa boa aconteceu o que se vê no vídeo que se segue... espero que tenha sido por uma boa razão! :o)

sexta-feira, dezembro 14, 2007

Recursos excelentes na "web" acompanhando o livro Research Methods in Education

Lembram-se desta entrada onde referi este livro?


Bem... preparem-se, não é todos os dias que fazemos uma descoberta assim...

É quase livro de cabeceira e comecei a ver espalhados por ele alguns endereços de internet referenciando certos materiais associados. Olhei para a capa e vi escrito no topo Companion Website... Digitando os endereços, não estava a conseguir chegar lá. Aparecia apenas um site associado (editores ) onde a informação/oferta é muita e útil, mas tudo se vende.

Pensei desconfiada: pois, está bem... se quisermos os materiais, teremos de os pagar. Todavia, ainda fiz uma tentativa, depois de ler na introdução The book contains references to a comprehensive dedicated website of accompanying materials. Hummm... achei que haveria uma hipótese de serem gratuitos e escrevi no Google - research methods in education accompanying materials, o que me levou directamente aqui:

Research Methods in Education - Research Methods in Education is essential reading for the professional ... To access the dedicated website of accompanying materials, please visit ...

No texto de divulgação do livro no site anterior encontrei então: ... to access the dedicated website of accompanying materials, please visit

e lá fui eu... aterrando finalmente no paraíso dos recursos online associados a este livro:

Se experimentarem explorar este site, percebem facilmente a razão do adjectivo "excelentes" para qualificar os recursos gratuitos aqui encontrados... Exemplos em pdf, quadros, tabelas, textos, um sem número de magníficas apresentações de síntese em powerpoint... Ainda me é difícil acreditar. Indispensável! A não perder! Há momentos de sorte...

Deixo aqui o exemplo da primeira apresentação a que vi referência no livro (quando estava a preparar o questionário que apliquei aos alunos de quinto ano) e me fez levantar para ir à sua procura. E aqui e aqui outros dois que vão ser bem necessários nesta fase... E aqui mais uma coisinha diferente... Só para terem uma ideia.

(Entrada repetida no Muito mais)

A chama... chama

Terrinha agreste esta.
Carro coberto de gelo. Mangueira congelada.

Não havendo lareira, bem cedinho pela manhã, depois de comerem, a chama... chama.

(Boa esta vidinha de gato e de cão... eu cá, daqui a pouco, estou na rua.)
....a "rua" (não, não é neve):

Já podem assistir à conferência!

As tecnologias permitem. Nós aproveitamos.

Podem ver/rever a conferência aqui:

quinta-feira, dezembro 13, 2007

Não me venham buzinar...

Gostei da conferência.
Gostei porque reconheci um certo brilho no olhar que partilho infinitamente sempre que entro numa sala de aula. O micro é a minha âncora. Tendência agora mais frequente para me esquecer do macro.

E finalmente conheci a Olga. A ocacao da Universidade de Aveiro virtual no Second Life. Conversámos brevemente. Às voltas com o mestrado. Ambas. Impressões, recordar as histórias. A doçura virtual que se adivinhava, a doçura real confirmada. Um beijinho, até qualquer dia, a vida leva-nos com ela.

São 20 horas. Saio da Faculdade. Mochila às costas. Mala a tiracolo.
Está frio.
O metro. Tanta gente correndo em tantas direcções. Eu devagar na minha. Hoje não quero ter pressa.
Uma estação apenas. E o combóio. Gente, muita gente.
Lá dentro está quente. Mas diz que fora são 12 os graus.

Hoje não me apetece ler. Não me apetece música. Não quero entreter o tempo. Deixo que o tempo me entretenha a mim. Apetece-me só saborear as conversas, os silêncios, os movimentos, os sonos, as leituras dos outros, as tristezas, os risos.
Lá fora a temperatura desce. No Pragal são já 9 os graus.

A Mãe e a criança à minha frente. O pico no dedo. Que não que não, tiras em casa. Dá-me a tua mão eu não mexo. Olha que se mexes nunca mais confio em ti! Acabam por adormecer as duas.
Um senhor de pé lê o Equador. Os jovens universitários recordam a festa de aniversário de uma amiga.
A temperatura é confortável. Lá fora já são 8 os graus.

Este combóio é de pouca(s)-terra(s), pouca(s)-terra(s)... em meia hora o meu destino. São 6 os graus perto dele. Preparo o gorro, o cachecol.

No carro são já 3 os graus. Gelo no vidro. Pagar o estacionamento. Partir.

Estão à espera de alguma nota poética sobre a descida da temperatura? Assim por exemplo do micro para o macro? Hoje não. Apenas a confirmação de que esta minha terra adoptada é bem mais fria que a minha terra de origem, a poucos quilómetros de distância. Mais de metade dos arrepios. Sem mais. Hoje observo a vida sem interpretar. Saboreio. Passeio-me nela.

No carro esta música:

Não me venham buzinar
(hoje não)
vou tão bem na minha mão...

Deito-me cedo apenas por uma questão de coerência.
Boa noite!

Bernard Charlot (conferência ontem... em jeito de surpresa)

Fui apanhada de surpresa, mas foi uma boa surpresa.
Ontem às 18 tive ocasião de assistir a:

Conferência "A pesquisa educacional: especificidades de uma área de saber”
Quando: 12 de Dezembro de 2007
Horário: 18h00
Onde: Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Lisboa Anfiteatro

Unidade de I&D de Ciências da Educação da Universidade de Lisboa

A conferência foi proferida por Bernard Charlot.

Será que pode ser definida e construída uma disciplina específica, chamada Educação ou Ciências da Educação? Bernard Charlot apresenta três respostas possíveis. Primeira: os departamentos de Educação não passam de um agrupamento administrativo de matérias interessadas pela educação. Segunda: esse próprio agrupamento gera uma especificidade das pesquisas, entre conhecimentos, políticas e práticas. A terceira resposta consiste em apostar numa disciplina específica. Nessa última perspectiva, são analisados sete tipos de discursos actuais sobre educação: espontâneo, dos práticos, dos antipedagogos, da pedagogia, das ciências humanas, dos militantes e das instituições internacionais. Nesse campo já saturado de discursos, qual o lugar para um discurso científico específico? Para responder a essa pergunta, Bernard Charlot apresenta algumas propostas teóricas e práticas.

AQUI, encontrei mais informação:

Bernard CHARLOT é graduado em Filosofia e Doutor em Educação pela Universidade de Paris X (Doctorat d’État). Professor emérito em Ciências da Educação da Universidade de Paris 8, onde foi Professor Catedrático e fundou a equipa de pesquisa ESCOL. Atualmente, é Professor Visitante no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Sergipe, em Aracaju (Brasil), onde vive.É, actualmente, consultor da UNESCO-Brasil. Foi Presidente da Associação Francesa dos Professores e Pesquisadores em Educação (AECSE) (1990-1996) e membro do Comitê Internacional do Fórum Mundial da Educação de Porto Alegre, do qual é um dos fundadores. É, ainda, membro de numerosos conselhos de revistas especializadas em vários paises.Escreveu 12 livros, organizou mais 5, publicou muitos artigos e capítulos em outros livros. Os seus livros foram traduzidos no Brasil, em Espanha, na Grécia, em Itália e no Uruguai. Das obras mais recentes, destaque para o livro Relação com o saber, Formação dos professores e Globalização (Porto Alegre, ARTMED, 2005).

Para ir um pouco mais longe (justifica-se, foi muito enriquecedor ouvi-lo)


Publicações recentes:

Charlot, B. (dir.) (1994) L'école et le territoire : nouveaux espaces, nouveaux enjeux, Paris, Armand Colin.
Charlot, B. (1999)
Le rapport au savoir en milieu populaire. Une recherche dans les lycées professionnels de banlieue, Anthropos.
Charlot, B. (2000)
Du Rapport au savoir. Éléments pour une théorie, Anthropos, 1997. Traduit en Grèce en 1999 et au Brésil en 2000.
Charlot, B. (Dir.) (2001)
Les jeunes et le savoir : perspectives internationales, Anthropos, 2001 (à paraître).
Charlot, B., Bautier, E. et Rochex, Y. (1992)
École et savoir dans les banlieues et ailleurs, Paris, Armand Colin.

E mais:

Revista educarede - entrevista Bernad Charlot

Entrevistas / Palestras

Collège des CPE - Conférence de Bernard Charlot du 29 novembre 2001

Présentation du livre: Du rapport au savoir de Bernard Charlot

(entrada repetida no Muito mais)