segunda-feira, fevereiro 13, 2006

Onde tudo começou


CRE da Luisinha


Hoje só quero lembrar isto.


Foi na escolinha (EB 2,3 de Luísa Todi) onde cresci durante cerca de 20 anos em excelente companhia, que fui desenvolvento a arte do ofício de fazer aprender, descobri a paixão pelas TIC, o gosto pela "coisa gráfica". Foi nela que entrei sem reservas pelo universo dos "bytes" e eduquei o sentido estético com os meus "mestres" Joaquim, Dora e depois a Fátima.
Muito do que vivi passou-se no Centro de Recursos, no Laboratório de Multimédia, na Biblioteca (este meu fascínio pelos livros!) em companhia preciosa da Cristina, da Zé, mais tarde da Luísa. Também da Gina e da Amélia, duas funcionárias e amigas que compartilhavam (e compartilham ainda) esse espaço com todos nós. Na reinvenção de espaços de formação contávamos sempre com a Encarnação, com a Ana e com a Guadalupe. Não perdíamos uma oportunidade. E saúdo as muitas Teresas que comigo partilhavam nome e aventuras pedagógicas, o meu 4º e empenhado grupo, os órgãos de gestão com quem tive ocasião de trabalhar, o saudoso ANIB...Víctor, M. José, Teresas, outra vez as Teresas, (que me aproximaram ainda mais do sonho dos livros).

Foi nela Escola e nele Centro de Recursos (CRE) que cresci, cresci, cresci e fiquei assim pequena sempre à espera de aprender um pouco mais e capaz de o fazer sozinha, dotada de ferramentas que ainda hoje me ajudam. Percebi o pouco que sabemos das coisas da Vida e do Mundo. Não vou dizer mais nomes, porque são tantos que recearia omitir alguém. Mas todos eles sabem do meu Obrigada. Cito apenas estes, cumprimentando simbolicamente toda a escola através deles.

No CRE da Luisinha, continua a ser Primavera sempre, apesar das dificuldades e da escola prometida que nunca mais chega. Agora nasceu um blogue que nos elucida sobre a excelente qualidade de tudo o que por lá acontece e sempre aconteceu, mesmo no anonimato dos dias (viva a Internet que permite perceber a injustiça dirigida contra a escola e os professores!).
Orgulho-me de ter feito parte desta história tão bonita e, de certa forma, continuar sempre por lá, mesmo noutra escola. Posso ir matando as saudades com visitas virtuais regulares, sempre que as físicas são impossíveis.
É que, para mim (para eles? para todos os que andam por aqui?), o conceito de escola não tem a ver com o local exacto onde funcionamos no nosso dia a dia.

Talvez por isso a blogosfera "educativa" trabalhe, na partilha que a caracteriza, esta ideia de Escola que é de todos nós e não tem muros nem fronteiras (tal como o céu de José Gomes Ferreira?).

(...) O céu, ao menos, não tem muros.

E as aves não riscam fronteiras

nem põem vidros partidos nas nuvens.

A "solução da educação" tem de passar por quem vive dentro dela e lhe ausculta diariamente o bater do coração. Tudo o que não for feito dessa forma, estará condenado ao fracasso.

Não deixem de visitar este cantinho delicioso que é o

CRE da Luisinha

16 comentários:

Herr Macintosh disse...

Obrigada pelo epíteto de "mestre".
Desses tempos de que falas lembro-me do PE (mais uma vez), dos Projectos Educativos onde, como diria o Camões, por mares nunca dantes navegados tentámos atingir uma escola melhor; e da alegria de o nosso projecto do Laboratório de Multimédia ter ganho 9000 contos (houve moscatel na sala de professores...); e do trabalho desenvolvido com os alunos (alô Sara e Elisabete - agora já sabem quem é o Herr macintosh?... e o David que entretanto desapareceu do mapa e os outros todos); e os materiais multimédia que fomos produzindo enquanto aprendíamos todos como fazê-los e que esperam uma revisão há demasiado tempo; e do nosso site - da emoção de o mudarmos todos os meses.
Falamos disto e esquecemos, por momentos, aquilo que correu menos bem (a distância do tempo dá-nos liberdade para isso).
Também eu, apesar de me chamares mestre, aprendi com tudo isto. Sem o Laboratório de Multimédia e o nosso trabalho e a troca de ideias (eu, tu e a Dora e aquele grupo de alunos que foi ficando) não teria certamente lido, pesquisado e pensado tanto no que é a utilização das TIC em contexto educativo e não teríamos a troca de mailes com pedidos de comentários às minhas ideias.
No nosso Plano Tecnológico acrescentei um novo Laboratório Multimédia e a implementação de um sistema de e-learning. Talvez, apesar da desilusão que vivemos neste ano lectivo, ainda tenha uma esperança de podermos fazer algo...

3za disse...

Ontem , num outro filme, voltei a ver uma referência à coisa magnífica dos álbuns de fotos apenas ilustrados com os momentos felizes. Mas, desta vez, foi acrescentado que os revezes, as dificuladdes e a capacidade de as ir ultrapassando e vencendo é que nos permitem ir de uma foto feliz para outra... E é verdade. Se um momento menos mau impedir o momento feliz que se segue, é porque não conseguimos atravessar essa ponte e o álbum termina por aí. Portanto, sim, temos a liberdade de poder falar e recordar apenas os momentos bons, sabendo que os maus nos foram conduzindo a eles. Isso não significa que tudo se tenha conseguido. Não. E que não haja uma enorme desilusão em todos nós neste momento. Mas é preciso, em mais este momento mau, encontrar o fio de luz que nos leva até à janela, na "esperança" de ter forças para lutar contra o que não está certo e melhorar o que for sendo possível melhorar, corrigir o que está profundamente errado. É bom saber que há quem não perca a esperança. É a garantia de mais uma foto feliz, um dia destes... num álbum qualquer (no de todos nós?)

Teresa Lopes disse...

«A "solução da educação" tem de passar por quem vive dentro dela e lhe ausculta diariamente o bater do coração. Tudo o que não for feito dessa forma, estará condenado ao fracasso.»
Assim o dizes e assim é. Então, porque será que os altos senhores e senhoras dos ministérios que temos tido não assumem essa verdade? Custa tanto assim partilhar o poder? Ou é pura ignorância?
Jokas

Herr Macintosh disse...

Custa tanto assim partilhar o poder? Ou é pura ignorância?
Talvez as duas, com predominância da ignorância. E também alguma falta de bom senso. Ultimamente, comecei a comparar os "altos senhores e senhoras" do ME com os generais da Primeira Guerra Mundial que, no conforto dos seus castelos bem atrás das linhas de combate, ignorando o que se passava na frente, mandavam os soldados conquistar posições sem importância estratégica.

3za disse...

Partilho a vossa opinião. Curioso, na sexta, no Público, vinha uma notícia que parecia contrariar isto... aparentemente a Ministra terá ouvido os profs de matemática na análise dos problemas do insucesso nos exames e dispunha-se a experimentar coisas como desdobramento de turmas (redução de nº de alunos), mexida nos progamas, e outras estratégias "de bom senso" para encontrar formas de lutar contra o problema... Só faltaria perceberem que tb não podem continuar a desviar a atenção e esforços do trabalho dos professores para baby-sitting... Não sei. Eu quero ter esperança... mas...

picaldeira disse...

Esta Teresa (a Caldeira) faz saber que beneficiou e beneficia do entusiasmo, da doçura e do carinho com que constróis a tua vida. És uma fonte a que recorro para matar a minha sede de esperança (às vezes estou mesmo desidratada...)
Beijos enormes

Miguel Pinto disse...

O colega herr acertou na tua alcunha: dá para perceber através da velocidade de produção, estonteante… é que não encontro ritmo para a seguir. Limito-me a abreviar os comentários para não perder a visita às outras capelinhas. :)

Depois de visitar o cantinho da Luisinha e de sentir o pulsar de uma escola situada apetece-me reforçar a ideia de que os muros da escola só existem para coarctar o pensamento e circunscrever a inovação. Sinto-me mais reconfortado e preenchido à medida que me deixo imbuir pelo entusiasmo que emerge na tua escrita. Optimismo? Alienação? Creio que não. É o olhar que penetra na circunstância para retirar dela a substância… ;)

Herr Macintosh disse...

aparentemente a Ministra terá ouvido os profs de matemática na análise dos problemas do insucesso nos exames e dispunha-se a experimentar coisas
Oh! Não! Neste momento de elevado frenesim intelectual, os crânios do ME esqueceram-se, mais uma vez, que o nosso problema não é a matemática mas sim a matemática e o português e a história e as ciências e a geografia e... Fazer experiências descontextualizadas, por capricho, ad hoc, não vai resolver rigorosamente nada. E até falam em fazer uma reformazinha... Que Deus nos acuda!

Herr Macintosh disse...

O colega herr acertou na tua alcunha
Para falar verdade, a ideia de atribuir à 3za a alcunha de Miss Speed não foi minha. Lembro-me de uma reunião em que inventámos as alcunhas (e nos divertimos à brava a fazê-lo) mas não me consigo lembrar quem teve a ideia. Agora, uma coisa é verdade: acenta-lhe como uma luva.

Sara S. disse...

Já sei à algum tempo quem é o Herr Macintosh! Primeiro, verdade seja dita, que pensei que fosse o David, mas depois de ler a dica da "stora" 3za (JL) não restavam muitas hipoteses!
Que saudades das tardes na sala dos computadores em que eu e o David (o desaparecido), quando não estavamos a jogar X-Files, estavamos no Brice ou no Poser e etc. (Lembro-me especialmente de uma animação com uma menina a andar de baloiço e um menino de pé, ou seria ao contrário...) Também foi nesta altura que fui, penso eu, apresentada ao Flash. Quem sabe não foi isto que me levou ao curso em que estou hoje, onde tenho que lidar com Mac's pa sobreviver.
A Dona Gina e a Dona Amélia... a biblioteca onde eu era, com muito orgulho, monitora! Que saudades, que saudades...

subROSA disse...

Saudade!... A espuma da vida!... Nos copos... da vida... A saudade não enche copos... de vida... Gosta da Teresa sem a conhecer verdadeiramente bem... porque enche os copos com vida... Quem quiser que beba a espuma!... Onde tudo começou... vive... Até o ANIB vive aqui... não no cantinho doce do meu coração,... mas sim no cantinho intenso da vida... da minha vida...
quem quiser que beba a espuma!...

Herr Macintosh disse...

Lembro-me especialmente de uma animação com uma menina a andar de baloiço e um menino de pé, ou seria ao contrário...
Um dia destes, enquanto fazia uma arrumação informática, encontrei essa animação que fizemos no Poser. E lembras-te bem: foi nessa altura que vos apresentei o Flash (a versão 2, o que mostra bem que isto foi, quase, noutra encarnação) e o Director e o Bryce. E lembro-me também das tardes em que tu e o David jogavam X-Files no iMac.
Se foi isto que te levou ao curso em que estás significa que o Laboratório de Multimédia serviu para alguma coisa. Fico satisfeito.

subROSA disse...

Aproveito a deixa:
- Herr Mac... Estuda!... Quero fazer a página.. Espero o teu saber para juntar ao meu... ou vice-versa... Viva a vida!...

Herr Macintosh disse...

Espero o teu saber para juntar ao meu... ou vice-versa...
Não sou muito destas coisas da matemática (ia chumbando no quinto ano, o actual nono), mas a adição não é comutativa?
Esta resposta foi só para não ficarmos nas treze respostas...

3za disse...

Beeeem... esta moça vai até ali ao lado ver uns testes e quando volta vocês já fizeram a festa toda!!! É uma felicidade saber-vos por aqui tão perto... As tertúlias da Luisinha revisitadas, agora com ex-alunas à mistura e, até, colegas novos a deixar-se entranhar pelo espírito da coisa que nos manteve "vivos" numa escola tão complicada como a Luísa (esta é para ti Miguel, para ti Teresa L, mais uma Teresa, Isabel, Tit, mais Migueis, Emn, Cristina...). Escola situada. Gostei. Escola com História. A prova aqui vai ficando. Obrigada a todos por andarem aqui pela teia a fazer-me companhia. E, sim, compreendo... eu consigo ser um bocado alucinante... Os miúdos às vezes têm de me segurar quando começo a ter ideias... Um destes dias a Cátia (aluna da minha DT) agarrou-me nas mãos a caminho da aula, enquanto eu partilhava um monte de ideias para a festa de final do ano e explicava como era a canção que tinha escrito e disse abanando-me: gosto muito da energia desta professora! Fiquei feliz e ri-me imenso! Já perceberam por que não tomo café? Devo ter um metabolismo estranho que segrega qq coisa que desconheço. Mas, confesso, que os alunos, vocês, os projectos em mãos, a vida, são estímulo mais do que suficiente... Assusta-me poder estar pior do que era (imagine-se!!! Tudo a fugir aí na Luisinha e a pensar... ainda bem que ela foi moer o juízo de outros!) Comecei este ano com uma quase alcunha de "Melga"... mas já estou a ser adoptada... que remédio. Se não podem comigo...
E sim, também, não é alienação, nem optimismo exagerado... porque tenho a noção das dificuldades e luto muito na escola para acordar consciências... é só uma maneira de olhar a vida, de agradecer pelo bom que me tem sido dado, partilhando o que posso com os outros. Se isso puder ajudar a matar alguma sede de esperança... valeu cada minuto roubado ao sono...
(Como gosto desta escola sem fronteiras, desta sala de professores aqui no ciberespaço...)
Um abraço a todos!

IC disse...

A blogosfera "docente" está a ficar estonteante :))))
Claro, também já fui visitar o cantinho da Luisinha e vou já pô-lo nos meus links...