quinta-feira, junho 19, 2008

A de Amor... de Abraço... de cAbAninhAs

Finalmente cumpri a promessa.
Fui visitar os Cabaninhas. Cheguei às 13:15...

http://jinfanciacabanas.blogspot.com/
(os pais autorizam a divulgação das fotos dos seus meninos pequeninos... é por isso que hoje a reportagem é mais completa...)

Reportagem no blogue dos Cabaninhas



Ohhhh (espreitavam pela porta)
És a Teresa...
Sou...
Mostram-me a vossa salinha?
Dou a mão a uns quantos que me levam por entre um mar de bibes aos quadradinhos... Fiquei um tempo sozinha com eles e todos os nevoeiros se dissiparam.
Vem ver estes desenhos que fizemos para os teus poemas. Anda ver isto. Anda ver aquilo. Olha os barquinhos que fizemos. Olha o meu. E este é meu! E vamos cantar a lenga-lenga... e ai fecha os olhos para não veres a surpresa... e já viste aqui os nossos aniversários? E anda ver o meu desenho. E eu vou fazer um desenho para te dar e...


Posso desenhar um palhaço para vocês pintarem?
Siiiimmmmmm!
E foram canções... e foram poemas. Perguntas. Mil histórias.
Numa troca em dois sentidos.
E...
ai como me eterneci com este(s) Bibe(s)...


Os meninos de 3º ano vieram ter com os cabaninhas e depressa acabaram por se juntar também os de 4º ano.
Quem quer ler poesia?
Primeiro envergonhados. Depois muitos dedos no ar. Os mais crescidos lendo. Todos escutando, mesmo os mais pequeninos. Escolhi poemas do "Das Palavras" que não tornaram a tarefa fácil... mas eles (dois meninos não portugueses também) provaram estar à altura.


E os desenhos... as flores, tantos beijinhos doces... tantos abracinhos...

Um dos meninos, muito doentinho e com febre (passou mal a noite)... aguentou-se encostadinho a mim atento e sorridente, até que no fim percebi que adormecera e resvalava pela parede. Puxei-o para mim, amparando-o, enquanto recebia as flores e todos os miminhos. Faltava pouco para os pais os virem buscar...
Depois dos pequenininhos partirem, fiquei com os mais crescidos que se aproximaram e por sua vez se aninharam perto. Mais perguntas.
Falámos sobre a escrita, a imaginação.
Fomos escrevendo em conjunto, só com a voz, a história da folha de papel cor-de-rosa com flores ao canto, chamada Florinda, que vivia num bloco e foi comprada num supermercado mágico por um senhor, para escrever uma carta com um poema de amor à namorada, que enviou num envelope perfumado com uma rosa por companhia... Ai as conversas da rosa com a folha! Ai a surpresa da namorada! Ai a magia que se seguiu quando as lágrimas de emoção transformaram a rosa seca que não sabia ler num ramo de rosas naturais... e o desmaio da princesa, porque era uma princesa, e o beijo... o beijo que tudo salvou! Felizes para sempre? Claro...
Prometeram escrever para o ano a história e levar caderninhos com eles de férias para lá deixarem mil histórias que quero ler para o ano quando regressar. Promessa feita.
Ainda tempo para uma menina que escreve já muito, muito e muito bem... trazer o caderninho para eu ler uma história sua (linda!)... (Teresa, posso ir buscar uma composição minha para leres?) O futuro a desenhar-se aqui.
Em casa, partilhei com uma gatinha curiosa os mimos que me deram...
(e para além destes, todos os que recebi e foram direitinhos ao coração pondo-me mil sorrisos para mais mil dias...)
Voltei a mim.
Sou quem sou.
Gosto da letra A.
O Amor não se mede aos palmos e a nossa história escreve-se com gestos.


Obrigada, meus queridos, pela lição importante que me deram hoje...
(Despedi-me já passava das 16h...)

8 comentários:

JMA disse...

Conta a lenda que dormia...

Raul Martins disse...

E o futuro desenha-se com estes gestos (que fazem história, sem dúvida!)porque o amor não se mede aos palmos.
.
Quem me dera ter sido a gatinha a apreciar todos esses miminhos. E merecidos!
.
Carpe diem!

Os cabaninhas disse...

Uma dor de cabeça não me deixou espreitar mais cedo, é que foram muitas as emoções para um dia primeiro as Muito Boas e depois mais tarde nem tanto,mas só as boas marcam o dia.
Um dia em que sopraste pozinhos de perlimpimpim e de magia que foram poisar sobre os meninos desta escola.
Foram momentos mágicos aqueles em que cativaste aqueles meninos...fazes-me lembrar "O Principezinho" chegaste e parecia que já os conhecias a todos eles estavam em vantagem em relação ao conhecimento.
E o carinho, e os abraços, essa linguagem "que surgiu no momento em que nasceram as pessoas"...
"nessa linguagem todos os abraços são diferentes e assim como é fácil distinguir uma planta de outra,
um animal de outro, uma pessoa de outra,
fácil é também distinguir um abraço de outro"
Michal Snunit-Pássaro da Alma
A Excelência esteve lá para quê procurá-la mais?
E ficamos felizes com tão pouco...
Beijinhos,Fátima.

3za disse...

:)....... Obrigada pelo vosso carinho. Recebemos muito mais do que o pouco que damos. É sempre assim.

E, Fátima, foi uma doce ternura... são estes momentos que nos ajudam a ultrapassar os menos bons. Espero que te sintas melhor e os problemas desapareçam depressa.
Para o ano lá estaremos!
Abraço grande

Anónimo disse...

Miminhos merecidos :D
bj
Ilda

Maria do Carmo Cruz disse...

É de estas Sementeiras que eu gosto! E de Semeadores destes que fala a Bíblia. É nestes solos ricos e bem trabalhados que hão nascer os Amanhãs que valem a pena. Porque tu, Teresa, semeaste hoje. E porque, ´muitos se juntam e hão-de juntar a ti. E porque há que começar a encontrar resposta para aquele Pedido: "A Messe é grande e os Operários são poucos".
Deus te abençoe. E aos teus Meninos todos, de todos os tamanhos.Avó Pirueta
(aquela foto com o menino encostado a ti tens que a pôr no teu currículo. Vale por umas boas dúzias de aulas de substituição, mais uma formação em ponto cruz, e outra em jardinagem, pelo menos...

3za disse...

Obrigada Querida Carmo... Sementes: gosto tanto desta palavra... E junto com a foto do menino, vai também o meu palhaço (aprendi a desenhá-lo por volta dos 9 anos, a partir de uma revista para crianças, e até hoje não me esqueci de o fazer... :)
Quem sabe ajuda... :)
Beijinhos

3za disse...

Obrigada Ilda! Pelo carinho... pela presença constante. Ajuda tanto!!! Beijinhos