terça-feira, setembro 05, 2006

Esta vida de professor...

Manhã: reunião da equipa do CRE.
(Entusiasmadas a preparar a recepção dos meninos do 5º ano... texto para o PCA, informações para o CP.)
Sair da escola às 13:30.

Engolir qualquer coisa a correr. Acabar de corrigir as informações no computador.

14:20 na escola para fotocopiar as informações para o CP.

15 h - Conselho Pedagógico... até às 20...

Jantar uns raviolis prontos a cozinhar em segundos e ainda preparar a reunião do Projecto Curricular de Agrupamento de amanhã à tarde...
(De manhã, antes dessa, reunião de Departamento)

Estou quase sem palavras...

Pois...

(... fôlego apenas para algumas semeadas aqui. O gosto de partilhar.)

3 comentários:

IC disse...

Querida Teresa, eu sei que não vais ficar 'zangada' comigo pelo que vou dizer.
Eu sei que é preciso elaborar projectos curriculares e outros documentos e que não se pode ficar só pelo que dá verdadeiramente gosto ou é mais importante (como preparar uma recepção aos meninos novos), e também sei que tu não te desvias, por causa dos papeis, das maiores preocupações deste momento - mas muitos outros desviam-se, e os CPs reunem-se horas e horas para preparar o início do ano lectivo sem mobilização (ou sequer lembrança do que ficará irremediável daqui a um mês) para, por exemplo, tomarem posições e enviá-las - não sei se é do teu tempo, mas isso aconteceu por mais do que uma vez.
Em suma, o que me preocupa é que a grande maioria dos professores optou por aceitar coisas como se fossem fatalidades, mas podiam não ser fatalidades.
(Sei muito bem que não estás abrangida por essa atitude)
Beijinhos :)

3za disse...

Claro que não fico zangada! Tens toda a razão no que dizes... e oh se sei do que falas (cheguei a estar, eu e um par de colegas, fechada com inspectores de triste memória a tirar satisfações de posições e escritos que conseguiamos fazer aprovar de cada vez que vinha mais uma medida ou solicitação idiota... a última, há muitos anos, foi a "identificação dos professores que davam mais negativas" para informar já nem sei quem...). Mas reconheço nas tuas palavras algo que encontro a toda a volta e ficou bem claro quando no ano passado propus que se discutisse o ECD, se convidaram os professores e estivemos cerca de meia dúzia sentados a fazê-lo... Cada escola será uma caso, mas penso que esta coisa da acomodação está generalizada... que andamos tão aceleradamente a fazer tudo tão bem feitinho e conforme que nos escapa a essência, a luta que deveria estar a acontecer...
Vamos lutando com as armas que temos, mas começa a parecer muito pouco para o imenso silêncio que se vai abatendo... e isto de as pessoas se deixarem esmagar pelas pressupostas fatalidades assusta... Muito mais assustador do que o próprio ECD...
O imenso (e frequentemente sem sentido) trabalho que nos inventam é a fórmula certa para nos calar... mas afinal se somos uma classe tão preguiçosa... isto não faz sentido nenhum... nem se percebe como é possível acontecer! Beijinhos

Miguel Pinto disse...

Este teu corre-corre avivou uma dúvida… lá no outroolhar... É mais um fio… :)