segunda-feira, março 23, 2009

Educar os filhos (uma urgência nos dias que correm) - Aldo Naouri

No sábado passado chamaram-me a atenção para este livro (obrigada Paula!).

Depois... encontrei no 'Umbigo do P. Guinote isto ( Evidências ).
.

Coincidências a reforçar a curiosidade pela obra.

Acho que em breve...

Não, não tenho filhos, mas vivo do exercício de ajudar a educar os dos outros e, nesse processo, já ouvi muitas vezes pais pedindo ajuda para lidarem com os seus próprios filhos. "Já não sei o que lhe hei-de fazer! A professora acha que eu devia fazer o quê?"... Não que ache que deva ser eu a dar conselhos... que ainda roubo o emprego a alguém nesta época de crise e não quero que me acusem de acumular empregos vários (a culpa nem é minha, é daqueles que acham que nós professores devemos ser assim gente-dos-sete-intrumentos, Jack of all trades - master of none, para poupar uns tostões nem sei bem para quê... Ah! Sei bem para quê, mas estou a ver se me esqueço do que ouço todos os dias nos telejornais... o meu sentido do número não abarca nem a ordem de grandeza de tantos milhões, nem a promessa de os desencantar para isto e para aquilo...).

Mas não é fácil virar as costas a súplicas e retorquir aos apelos dos progenitores com um "vá perguntar ao pedopsiquiatra, ao psicólogo, ao médico...". Há uns anos cheguei a ter uma criança que... só se portava bem na Escola. A mãe queixava-se de que em casa fazia birras, partia as coisas do quarto, nunca obedecia... A menina pequenina e frágil - 5º ano - era consultada por um conhecido pedopsiquiatra que chegou a telefonar-me para eu lhe confirmar o anjo que aquela criança era na Escola onde se sentia bem... e onde as regras eram aceites e onde o respeito pelos outros não era colocado em causa (lembro-me bem da conversa). Não refiro pormenores sobre o tipo de experiências familiares (tudo relatado com minúcia pela Mãe) que originaram a disfunção que levava a encarregada de educação a vir à escola para se queixar a mim, DT, do comportamento da educanda em casa e me pedir que falasse com ela a ver se conseguia que ela se portasse melhor por lá porque ela gostava de mim e me escutava. E eu a dizer que a filhota se portava bem na Escola e estava atenta e acatava as indicações e trabalhava sem problemas... Insólito? Há coisas mais insólitas nas escolas. Mas só quem lá está é que sabe. Os outros fazem apenas umas teorias assentes em coisa alguma e depois inventam medidas que só atrapalham o que de bom se conseguia ir fazendo. Pagar-se-á caro o tempo subtraído sem nexo e os disparates que se têm acumulado nestes últimos anos.

Não... Também não é para virar especialista instantânea em educação de filhos e mais tarde reclamar o meu diploma num qualquer CNO... Não.

Mas gosto de saber com que crianças lido (como se não soubesse), com que famílias lido, para tentar fazer o melhor possível nas condições reais e não nas que sonhamos como ideais.
E porque um dia a escola portuguesa ainda vira de vez ATL com dormida e nós professores... pais substitutos, que, segundo se apregoa como peixe barato, a substituição foi uma coisa que, vai-se a ver e, resultou muito bem nem sei p'ra que foi tanta reclamação... sugiro a algum estudioso de sociologia, de psicologia educativa ou assim essas coisas das ciências humanas e sociais uma tesezita sobre o fenómeno da substituição nas escolas - esses tempos maravilhosos de essencialmente dolce fare e improdutivo niente.
E porque ler faz bem.
E porque tenho a mania dos livros e...

... ou compro uma casa maior ou compro um.... kindle(?)

2 comentários:

IsabelPreto disse...

Sim, nós professores, somos mestre para todo o ofício e é sempre bom ter referências, para nos apoiarmos. Talvez esta reflexão me ajude também num trabalho sobre a indisciplina...que terei de fazer para a Formação...mas preferia mil vezes, não ter de o fazer, pois o tempo é precioso...e não consigo chegar a tudo! Tenho duas filhas pequenas e graças à formação, ficam doze horas no colégio:( Mas enfim, a profissão assim obriga!
Beijinhos Teresa...Ah se tiveres ideias...livros simples...ou outras coisas que me ajudem a reflectir sobre indisciplina. agradeço.

3za disse...

É capaz de te ajudar, sim. Quanto ao teu pedido... tenho cá em casa dois... mas não sei se são bons (não me lembro já - foi há muito tempo - a razão da aquisição... nem o resultado da leitura :) Controlo disciplinar na Escola - processos e práticas da Texto editora 1995 - Ivo Domingues e de João A. Lopes, Problemas de comportamnento, problemas de aprendizagem, problemas de "ensinagem"... Ed. Quarteto,2001 coleccção Nova Era.
Espero que ajude! Que venças rapidamente essa fase... Beijinhos