terça-feira, fevereiro 02, 2010

Hung-Hsi Wu - a Matemática que os professores deviam saber


Comecei por receber esta informação:
http://mat.fc.ul.pt/noticias/arquivo/a-matematica-que-os-professores-deviam-saber


E depois esta:

Queria, mas não pude estar presente.

Uma formanda de um dos meus grupos de formação do 1ºC foi à sessão de dia 30... e trouxe-me notas valiosas. Daqui à descoberta do universo de Wu, foi só um passinho...

É aqui (http://math.berkeley.edu/~wu/)... e já imprimi materiais indispensáveis (destaque para os relacionados com o ensino de fracções e com a álgebra).

Agora é ir encontrando o tempo para ler, ler, ler... beber, beber, beber...

Se alguém quiser fazer o mesmo... fica a partilha.
(Para reflectir sobre questões de nomenclatura/conceitos ver comentários a esta entrada.)

2 comentários:

IC disse...

Teresinha, desculpa-me, mas eu acho que na língua inglesa a palavra fracção é confusa (ou confundida). Cá para mim, no 1º ciclo só se pode ensinar "fracção" como "parte", mas no 2º ciclo há que habituar os alunos a conceitos. Fracção não é um número, mas uma representação de um número (que tanto pode ser inteiro como fraccionário). Mesmo que os alunos ainda não sejam precisos na linguagem, o professor deve ser para que os conceitos vão entrando. Eu jamais disse aos meus alunos "addition of two fractions" porque o que se adiciona são números e não formas de representação (embora os alunos vão dizendo) No 2º ciclo acho essencial que eles percebam que fracção simplesmente representa um número, para que percebam a equivalência quando reduzem ao mesmo denominador, quando põem um inteiro na forma de fracção, etc., para que depois adquiram o conceito de nº racional. Em suma, ou li muito em diagonal, ou não gostei do artigo que referiste. (Talvez seja só a minha aversão à língua inglesa eh eh eh)
Beijinhos

3za disse...

Não peças desculpa. Concordo em absoluto com o que dizes. Ainda hoje na sessão habitual das quartas e nas sessões com os formandos fiz novamente a ronda pelos conceitos e necessidade de rigor nas designações... Numeral decimal, fracção, como explico aos alunos, são formas de representar... números racionais, números inteiros, números fraccionários (inicialmente até lhes chamo "não inteiros")... são "recheio". A língua inglesa (estes textos não são excepção) enfermam do problema de confusão que se vê em muitos manuais portugueses, nomeadamente com a confusão entre "decimais" como sendo os "números com vírgulas" (não inteiros). Percebo exactamente o que dizes... e mesmo lendo na diagonal (bastam os títulos dos textos)se percebe a confusão. O meu interesse pelos textos do Wu está mais relacionado com o modelo de abstracção que sugere (linha numérica)para tentar encontrar alguma unidade e coerência na abordagem dos aspectos ligados ao trabalho com os racionais (não com fracções - o erro existe logo no título, como já referi) fazendo com que o trabalho com os "fraccionários" (esses sim, números) seja um prolongamento em conformidade com o que os alunos já aprenderam antes no conjunto dos inteiros (antes de entrarem no campo racional). Devia deixar essa salvaguarda no "post"... mas como felizmente vieste aqui referir o facto... fica em comentário a reflexão, o que enriquece e ajuda a uma leitura que tenha em conta essa confusão/erro na utilização do termo fracção como referindo-se a "números" específicos e não apenas a formas de representar os números...... :)
Obrigada!
Beijinhos