sábado, fevereiro 16, 2008

Manuel António Pina... mais uma vez

(Acho que há adultos a mais a governar o país...)

... deixo um dos meus poemas favoritos, que tem como lar um dos meus livros favoritos: O pássaro da cabeça .

[DSC02877.JPG]




A canção dos adultos

Parece que crescemos mas não,
somos ainda do mesmo tamanho.
As coisas que à nossa volta estão
é que mudam de tamanho.

Parece que crescemos mas não crescemos,
foram as coisas grandes que há,
o amor que há, a esperança que há,
que ficaram mais pequenos.

Estão agora tão distantes
que às vezes já mal as vemos.
Por isso parece que crescemos
e somos maiores que antes.

Mas somos ainda como antes,
talvez até mais pequenos
quando o amor e o resto estão distantes
que nem vemos como estão distantes.

Julgamos então que somos grandes
e já nem isso compreendemos!


Manuel António Pina
O Pássaro da cabeça
(ilustrado por Joana Quental)

6 comentários:

Anónimo disse...

Professora tenho um trabalho novo na minha galeria. Beijinhos
Teresa

Anónimo disse...

Professora tenho um trabalho novo na minha galeria. Beijinhos
Teresa

3za disse...

Já lá fui e já deixei comentário. Linda a tua voz! Já começaste as aulas de canto/fado? Vais longe "miúda"!!! Vamos ouvir falar de ti... Beijinhos

3za disse...

Quem quiser ouvir a Teresa (é a voz em primeiro plano... teve de recorrer a sobreposição para conseguir umas guitarrinhas de acompanhamento) pode ir até aqui:
http://scratch.mit.edu/projects/telle/100712
Já uma vez divulguei na teia a sua voz especial (tem apenas 11 anos). Agora... vai iniciar-se com aulas de... fado (aceite por um professor que a ouviu e reconheceu nela a enorme qualidade vocal já existente e o potencial que se adivinha). Acrescento que é uma das craques a matemática na turma do 6º ano - 5 sempre, desde o 5º ano. Tão bom ver uma menina a aproveitar a vida de forma tão completa e sempre descontraída e com um sorriso... Força Teresinha!

um das artes disse...

Grandes todos somos quando olhamos para o umbigo.
Quando a cabeça se levanta, deixa a grandeza de existir: uns avançam para crescer, outros, com vertigens, desamparados, pontapeam tudo o que se lhes defronta.

3za disse...

Pois...