domingo, outubro 15, 2006

Não façam só alguma coisa, fiquem parados

Há uma semana e um dia li no público um texto de Rui Tavares (historiador) com o título que "copiei" para esta entrada.
Gostei muito.
Muito mesmo.

Muita gente o deve ter lido, mas talvez não toda a gente.
Talvez chegue alguém aqui que não passou os olhos por ele.
Já terá valido a pena partilhar.

Por preguiça de o copiar, não o trouxe logo para a teia, mas continuou a apetecer-me.
A apetecer-me muito.
Muito mesmo.

Hoje resolvi "buscar" na "net" a ver se tinha sorte e...
... dei com o blogue do próprio Rui
(Pobre e mal agradecido - http://ruitavares.weblog.com.pt/)


e com o seu texto:
Não façam só alguma coisa, fiquem parados


Quem não conhece, não deixe de ler.
Ou me engano muito, ou faz muito sentido.
Muito mesmo.

9 comentários:

Rosa dos Ventos disse...

Não tinha lido o texto e agradeço a oportunidade.
E agora temos o 1º Ministro a comparar a carreira de professor com a de general!
Se nas Forças Armadas não chegam todos a generais, também os professores não podem chegar todos ao topo da carreira, diz JS.
Como se estas carreiras fossem comparáveis.
Basta de demagogia!

Filipa disse...

Professora hoje vim aqui pedir-lhe ajuda porque estou muito preocupada. Há meses atrás apareceu aqui na minha Urbanização um cão assustadisso, grande e com o pelo todo ás manchas de diferentes tons de castanho. Á apenas alguns dias ele passou a vir ter comigo. Ele é muito meigo e engraçado. O meu pai quando me vio a fazer-lhe festas alertou-me para que não lhe mexesse mais porque disse que um visinho lhe contou que o animlzinho tinha uma doença esquisita ( vomitava sangue ... etc) .
Fiquei muito apreensiva porque embora o cão não me paressa nem um pouco doente pois tem o pelo bonito e os olhos brilhantes ... está muito magro. Inicialmente pensei que ele estava assim por não o alimentarem bem mas estava enganada pois parece-me que há uma pessoa a tratar disso e que portanto ele está assim magro por causa da doença. Não sei se há alguma instituição que trate de tratar os animais abandonados quando estes estão doentes ou feridos ... pensei que talvez me pudesse ajudar professora.

Beijinhos de uma Filipa preocupada.

3za disse...

De nada Rosa...

Filipinha:

http://sobreviver.blogspot.com/ (Associação Setúbal)

http://www.sobreviver.pt/ (Associação Setúbal – não estava activo, mas podes usar o blogue)

Estão aqui contactos possíveis:
http://www.aoaaa.web.pt/ (Almada)

http://www.uniaozoofila.org/ (Lisboa)

ESpero que tudo se resolva bem. Tens de entrar em contacto e procurar alguém disponível para ajudar, ou alguém disposto não só a alimentar o bichinho mas a levá-lo ao Vet... eu sei que não é fácil... mas foi o que fiz com a PAntera (não dá para ter mais nenhum: já são 3 gatos, um cão e uma chinchila). Sorte na tua missão. Tens um coração de ouro!

Muitos beijinhos

Miguel Pinto disse...

A crise da educação não é mais do que uma crise do modo de pensar a educação. Este texto não pode ficar escondido... deve circular pela net. Obrigado. Teresa.

IC disse...

Não tinha lido, obrigada, Teresa.
Concordo com o Miguel - já puseste o link, o Miguel também, eu vou mandar o endereço por e-mail a colegas com pedido de reencaminhamento para outros, pois é um texto, de facto, de grande lucidez.

maria disse...

Já conhecia o texto e o blog. Também gostei.

3za disse...

Já serviu...para quem não conhecia...
Lucidez nunca é excessiva... quando muito grassa por aí alguma falta dela!

Filipa disse...

Obrigada professora...ele tambem diz obrigada. É sempre bom ajudar quando podemos.
Bjs
Filipa

Miguel Sousa disse...

é um artigo fabuloso...lembra-me a análise feita por Nóvoa no evi dent mente