sexta-feira, junho 18, 2010

Morre-se apenas quando não se semeia...

Um dos livros que mais gostei de ler:

A morte, decida o que decidir quando decidir, não consegue matar por completo quem morar nem que seja numa memória apenas... Muito menos mata quem mora em tantas...


(Não se morre quando a morte assim decide... Morre-se apenas quando não se vive, nem se semeia...)

4 comentários:

IC disse...

Ausente todo o dia, só soube pelas 23h. Fiquei muito emocionada. Sem palavras, só consegui deixar no meu blogue um título e uma foto (e no Aragem). Entre a minha casa e a da minha filha Ana estão todos os seus livros. A sua escrita encanta-me. Também sempre gostei do Homem. Uma vez ouvi-o responder numa entrevista na TV que sim, que também era um homem amargurado, porque depois de tantos ideais e esperanças tudo estava na mesma no mundo (palavras não exactamente estas, mas parecidas). Neste momento estou a passar por vários blogues... silêncio a não ser no teu. (Mas ainda passei por muito poucos)

IC disse...

Beijinhos :)

3za disse...

Não li a obra toda. Mas li muitos. E gostava. E sentirei a falta dele...
beijinhos

Rosa dos Ventos disse...

Foi o penúltimo que li dele e também gostei muito!
O último foi A Viagem do Elefante que, quanto a mim modesta leitora mas com um bom conhecimento de muitos dos seus livros, ficou aquém do que esperava.
Mas já li noutros
blogues gente a referi-lo como uma das suas melhores obras...